Ai, ai: Comportamento tóxico

Quanto é que eu e o senhor temos em comum com os fariseus? Tem de ser assim?

Serviço,, , congregação da Igreja Evangélica Livre de Leichlingen

, traduzido automaticamente

Introdução

A época natalícia, Advento, está agora a começar e o tema que me chamou a atenção na semana passada, quando estava a ler a Bíblia, pode não se enquadrar realmente nesta época.

Ou talvez seja.

Durante a época natalícia, encontramo-nos cada vez mais com vários familiares e, por vezes, não é sem tensão. E talvez uma reflexão sobre o texto bíblico de hoje ajude a tornar as coisas um pouco menos tensas em algumas situações. Talvez não tenha quaisquer problemas a este respeito.

O texto bíblico é Mateus 23, onde Jesus critica maciçamente os fariseus, os chamados gritos de desgraça. Na verdade, o texto é sobre comportamento tóxico e gostaria de reflectir sobre isto convosco.

Queria ler uma definição de comportamento tóxico no início, mas não há nenhum artigo da Wikipédia sobre isso.

Conhece a palavra "tóxico", penso eu. Significa "venenoso" ou "nocivo" e provavelmente vem do grego antigo. "tò tóxon" significa algo como "o arco", que os lutadores gregos usavam como arma. "Toxikòn phármakon" foi então o veneno em que os guerreiros mergulharam as pontas das flechas.

E isso pode ser uma imagem bastante marcante, porque o comportamento tóxico pode atingir-nos como uma flecha envenenada.

Mas o principal problema com o comportamento tóxico é que este é geralmente visto na outra pessoa. Gostaria de passar por estes gritos de pesar convosco hoje, porque Jesus entra em detalhes sobre este comportamento tóxico dos fariseus.

O termo "comportamento" tem de ser entendido de uma forma um pouco mais ampla; poder-se-ia usar aqui a nova palavra alemã "mentalidade", ou seja, a forma fundamental de pensar e agir na vida de cada um. Talvez o termo "mentalidade" também se ajuste.

O que fazer

Começo com Mateus 23:1-4; NL

1 Então Jesus disse à multidão e aos seus discípulos: 2 "Os escribas e fariseus sentam-se na cadeira de Moisés como intérpretes das Escrituras. 3 Portanto, guardai o que eles vos dizem, mas não sigais o seu exemplo. Pois não agem de acordo com o que lhe ensinam. 4 Amordaçam-no com exigências religiosas impossíveis de cumprir e não fazem o mínimo para aliviar o seu fardo.

Penso que é uma afirmação bastante gritante: "Cinge-te ao que eles dizem, mas não sigas as suas indicações".

Talvez o provérbio "pregar água, beber vinho" também venha aqui à mente.

Não é raro julgarmos os outros com mais severidade do que julgamos o nosso próprio comportamento. Encontramos uma declaração semelhante em Mateus 7:3; NL

Porque é que está perturbado com um mote no olho do seu vizinho quando você mesmo tem uma viga no seu olho?

O complicado é que normalmente se pensa que não se tem uma viga no olho porque não se vê.

O que ajuda a mudar este comportamento tóxico é perceber que só conhecemos um pouco. Em 1 Coríntios 13:9, a tradução de Lutero diz tão belamente: "O conhecimento do utilizador é fragmentado.

Sabemos pouco e o raio no olho simboliza o muito que não sabemos.

Agora encontramos aqui mais comportamentos tóxicos: "não faça o mínimo para aliviar os seus fardos". Esta parece-me ser uma tradução muito interpretativa, porque outras traduções dizem que não pensam sequer em tocar nestes fardos com um dedo.

Mas o comportamento tóxico é claro. O outro precisa de pressão, absolutamente!

Talvez um exemplo da política: Não sei se tem acompanhado esta discussão sobre os rendimentos do cidadão. A CDU atribuiu grande importância à possibilidade de sanções logo desde o início. O governo queria um período de confiança de seis meses, que agora foi anulado. Não posso julgar a decisão em si, mas acho notável que alguns deputados desconfiem dos beneficiários da assistência social por princípio, mas reclamem para si próprios subsídios fixos bastante bonitos, para além do seu salário, para o qual em parte nada tem de ser provado. Há um montante fixo único de 12.000 euros para equipamento de escritório e há também um montante fixo mensal de quatro mil e quinhentos mil euros, que os deputados estão autorizados a gastar sem qualquer prova. Existem outros subsídios, alguns dos quais exigem provas, mas eu considero estas somas bastante grosseiras e depois exijo sanções, controlo e pressão.

Aconselho, portanto, muita cautela quando as pessoas exigem pressão para os outros.

Notei outro comportamento tóxico nesta passagem. Jesus diz: "Mantém o que eles dizem".

Tendemos muitas vezes a não ouvir as pessoas que agem como traseiros, embora possam dizer a coisa certa em alguns pontos.

Penso que mesmo com declarações dessas pessoas, é preciso aproximar-se delas com a atitude: "Testar tudo e guardar o que é bom".

Claro que isso é muito difícil, não o quer fazer, mas é um sinal de maturidade de pensamento se julgar as declarações racionalmente.

Uma questão de estatuto

Passemos à secção seguinte (v.5-12):

5 Tudo o que eles fazem, só o fazem externamente. Usam cintas de oração extra-grandes nos braços, e têm franjas extra-longas nas suas vestes. 6 E como gostam de se sentar à cabeça da mesa no lugar de honra nos banquetes e nos melhores lugares na sinagoga! 7 Gostam da atenção que recebem na rua. Eles gostam especialmente de ser tratados como 'Rabino'. 8 Nunca deixe que ninguém lhe chame 'Rabino'. Tendes apenas um mestre, e sois todos iguais, como irmãos e irmãs. 9 E não chames "pai" a ninguém aqui na terra, pois só Deus no céu é o teu pai espiritual. 10 Nem deixe que ninguém lhe chame 'professor', pois só há um professor, e que é o Cristo. 11 Os maiores entre vós devem servir os outros. 12 Mas aqueles que se colocarem acima dos outros serão humilhados, e aqueles que forem humildes serão exaltados.

Aplausos e reconhecimento como uma força motriz para qualquer comportamento é certamente tóxico.

Não há problema em obter reconhecimento e aplausos, mas se esse for o motivo central para a acção, então a situação torna-se má. Depois subordina a ela coisas mais importantes. Talvez comece a dizer às pessoas o que elas querem ouvir para continuarem a receber aplausos, talvez comece a esquematizar a fim de continuar a estar em primeiro plano à frente dos outros.

Penso que, racionalmente falando, é claro para todos que tal comportamento é pouco saudável.

Mas vamos pensar um pouco mais amplamente. Começa com:

"Tudo o que eles fazem, só o fazem externamente".

A frase "O que as pessoas vão pensar!" veio-me à cabeça. Isso vai para além do aplauso e do reconhecimento.

Quanto espaço dá na sua vida a esta frase: "O que é que as pessoas vão pensar"? Em que momento é que se torna tóxico?

O que tenho ouvido com frequência é que existe um medo entre os membros da igreja livre de serem confundidos com uma seita. É por isso que é muito importante estar envolvido em todas as actividades ecuménicas. "O que é suposto as pessoas pensarem!"

Assim, pode, naturalmente, participar em actividades ecuménicas se as considerar significativas.

Como é, por exemplo, tomar uma posição sobre algumas questões sociais? Por exemplo, o aborto? É claro que é importante que haja ajuda disponível, há casos especiais quando a vida da mãe está em perigo, etc., mas seres humanos desde o início. O aborto está errado. "Mas o que é suposto as pessoas pensarem!"

Claro que não se trata de pôr as pessoas no chão, o tom torna a música, amigável na linguagem, autoritária na substância, mas a questão permanece: "O que é suposto as pessoas pensarem"! Quando é que se torna tóxico?


Voltemos ao reconhecimento. Não chame a ninguém o seu mestre, o seu pai, o seu professor. Isto é, claro, um texto com um aspecto algo estranho. Claro que, se eu fosse um aprendiz, chamaria ao meu mestre meu mestre, e também chamaria ao meu pai, e também tinha de lidar com pessoas nos meus dias de escola a quem ainda hoje chamaria professores.

Não sei quem traduz este texto até à última palavra. Uma vez conheci uma Testemunha de Jeová que foi chamada pelo seu primeiro nome pelo seu jovem filho. No entanto, nunca lhe perguntei se isto estava relacionado com esta passagem bíblica, apenas presumi.

Os meus filhos também me chamam pai, o que agora não acho mau.

Penso que se trata do uso destes termos no contexto de domínio e superioridade tal como os fariseus o entenderam e viveram. O V.11 diz que os maiores entre eles devem servir os outros.

Jesus introduz aqui a perspectiva: Quais os benefícios para o outro? Em última análise, servir significa fazer o que beneficia o outro.

E sem esta perspectiva sobre o que beneficia o outro, a dominação e a superioridade tornam-se tóxicas. Em alguns casos, é difícil chegar a acordo sobre o que beneficia o outro, e isso, claro, torna-o difícil.

A outra opinião

Passemos aos próximos versos (vv. 13-15):

13-14 Vós, escribas e fariseus, ireis sofrer muito. Seus hipócritas! Pois se não deixardes outros entrar no reino dos céus, também não sereis deixados entrar. 15 Sim, coisas más irão acontecer-vos a vós, escribas e fariseus. Viajam por terra e mar para converter um homem, e depois fazem dele um filho do inferno duas vezes mais mau do que vocês próprios.

Como podem ver claramente aqui, Jesus Cristo também pode estar zangado. Ele colocou-se em frente ao povo e testemunhou ao vivo o que o seu comportamento causou.

Quero olhar para ela um pouco mais sem emoção, porque não tenho ninguém directamente à minha frente agora.

O Evangelho já era um incómodo no início. Não tem de fazer tudo bem, pode levar a sua culpa a Deus e pode aceitar perante si que é culpado e tornar-se livre através de Jesus Cristo.

Isto é, evidentemente, um incómodo para as pessoas que querem determinar exactamente o que se deve e não se deve fazer.

Isto também se aplica mais genericamente: quando pessoas que cumprem muitas regras se irritam com aqueles que vivem mais livremente com poucas regras, isto é um comportamento tóxico.

Não me interpretem mal, eu penso que as regras são basicamente boas. Mas é preciso respeitar as regras que você mesmo considera sensatas e úteis.

Se só se agarrar a ele porque os outros se agarram a ele, então entra rapidamente nesta pista: Se eu me agarrar a ele, então a outra pessoa também tem de se agarrar a ele! Depois desenvolve-se uma certa inveja de regras e isso é definitivamente tóxico.

Além disso, o texto é também sobre quem determina o que é a verdade. E também se trata do facto de que outros devem necessariamente aceitar esta verdade sem reservas.

Nós como cristãos, estou convencido, temos uma verdade, o Evangelho, que está razoavelmente bem resumido no Credo dos Apóstolos. Pessoalmente, ainda sinto falta da verdade da Bíblia nela, mas de resto, penso que essa é a verdade com a qual todos os cristãos podem e devem concordar.

Tudo para além disso: como o pomos em prática, que regras encontramos boas para a nossa vida quotidiana, como vivemos a nossa fé de uma forma muito prática? É com isto que temos de lutar, com a nossa limitada cognição e conhecimento limitado. Estamos no caminho com as nossas imperfeições, muitas vezes erramos, por vezes entendemos mal a Bíblia, mas confiamos em Jesus Cristo.

Quando nos tornamos arrogantes e pensamos saber sempre exactamente sobre tudo, também se torna tóxico.

Uma atitude errada leva a um ensino errado

Passemos à secção seguinte (v.16-22):

16 Líderes cegos! Coisas más irão recair sobre si! Afirma que não tem significado jurar "pelo templo de Deus" - um tal juramento pode ser quebrado silenciosamente. E no mesmo fôlego afirma que se jurar "pelo ouro no templo", deve guardá-lo. 17 Seus tolos teimosos! O que é mais importante, o ouro ou o templo, através do qual o ouro se torna sagrado? 18 Diz que um juramento "junto ao altar" pode ser quebrado, mas um juramento "pelas ofertas no altar" é obrigatório! 19 Você é cego! O que é mais importante, a oferenda no altar ou o altar que torna a oferenda sagrada? 20 Se jurar 'pelo altar', então jura pelo altar e tudo o que nele estiver escrito. 21 E se jurardes pelo templo, jurais pelo templo e por Deus que habita no templo. 22 E se jurardes pelo céu, jurais pelo trono de Deus e pelo próprio Deus que está sentado nesse trono.

Não quero entrar em detalhes aqui, mas uma regra básica torna-se clara:

Se pensa que tem a verdade, então acabará por dizer coisas estúpidas.

Isso deve ser suficiente para esta secção agora.

O que é essencial?

V. 23.24

23 Coisas más irão acontecer-vos a vós, escribas e fariseus. Seus hipócritas! Tem o cuidado de ditar até a mais pequena parte do seu rendimento, mas não se importa com as coisas verdadeiramente importantes da Lei, tais como justiça, misericórdia e fé. Deve dar o dízimo, certamente, mas não deve descurar as coisas muito mais importantes acima. 24 Vocês, líderes cegos! Estica a sua água para não engolir acidentalmente um mosquito, e depois engole um camelo!

Essa é uma questão excitante: o que é essencial e o que não é?

Os fariseus, por exemplo, quando tomaram uma especiaria como a salsa para a sua refeição, trouxeram um décimo dela para o templo. Foi uma enorme despesa e quem beneficiou ao trazer algumas migalhas de salsa para o templo.

Justiça, misericórdia e fé, isso é o que importa. Se se deixar isso de fora, então na realidade todo o comportamento torna-se tóxico. O dízimo é bom, é claro, mas esta mesquinhez sem a atitude certa é tóxica em qualquer caso.

Dentro e fora

V. 25-28

25 Coisas más irão acontecer-vos a vós, escribas e fariseus. Seus hipócritas! Cuidadosamente, certifique-se de que as suas chávenas e pratos estão limpos por fora, mas por dentro estão completamente corruptos - cheios de má vontade e intemperança! 26 Vós cegais os fariseus! Primeiro lavar o interior do copo; depois o exterior será limpo por si só. 27 Vós, escribas e fariseus, tê-lo-eis mal. Seus hipócritas! São como túmulos caiados de branco - com o exterior limpo e arrumado, mas no interior cheio de ossos e sujidade. 28 Dai-vos a aparência de pessoas justas, mas os vossos corações estão cheios de hipocrisia e desprezo pela lei.

O problema aqui é claramente a falta de auto-reflexão. Sou bom e não há problema com isso, foi o que pensaram de si próprios. Mas Jesus olha mais profundamente e revela a realidade aqui.

Tem de estar disposto de vez em quando a reflectir sobre a sua própria atitude e comportamento, levar os seus erros a Deus e estar pronto para a mudança, caso contrário tem aqui outra fonte de comportamento tóxico na sua vida.

Bem, eu nunca...

Passemos à última passagem considerada hoje (vv. 29-31):

29 Coisas más irão acontecer-vos a vós, escribas e fariseus. Seus hipócritas! Constrói túmulos para os profetas que foram assassinados pelos seus antepassados e decora os túmulos do povo piedoso e justo que foram mortos pelos seus antepassados. 30 E depois afirma descaradamente: 'Nunca teríamos participado quando eles assassinaram os profetas'. 31 Assim vós mesmos confirmareis que sois descendentes dos assassinos dos profetas.

"Bem, eu nunca teria...", isso é pensamento tóxico. É semelhante quando se julga severamente o comportamento das pessoas em ditaduras. À distância, todos pensam que são combatentes da resistência.

Estejamos conscientes da nossa fraqueza, da nossa vulnerabilidade e da nossa tentação. Precisamos de Jesus Cristo com quem possamos lidar com a nossa vida quotidiana, com quem possamos ultrapassar situações difíceis e a quem possamos sempre vir.

Resumo

Concluirei, enumerando mais uma vez brevemente os pontos individuais: